La velocidad de la inquietud (un experimento científico-poético)

Un equipo de investigación mide la velocidad de la inquietud de un poema. Lo aíslan en una cámara de flujo laminar y bajo su propio eje, examinan el mundo ¿el miedo? El experimento avanza y los hechos suceden, violentos.  La pulsación aumenta. Y el poema empieza a desvelarse entre altos y bajos ciclotímicos. El equipo…

Apresentação de Žižek vai ao Ginásio no Instituto Camões de Vigo

Na próxima quinta-feira, dia 17 de setembro, às 19h30, terá lugar no Instituto Camões de Vigo a apresentação “ŽÍŽEK VAI AO GINÁSIO” . A apresentação será acompanhada pelo cineasta galego, Roi Fernandez, que produziu o filme-poema “Os Americanos” para este livro.

Filipe Campos Melo sobre “Žižek vai ao Ginásio”

“Antes de me conhecerem, devem primeiro conhecer as minhas palavras” I. Da Arquitetura Oblíqua Uma “Pessoa-Estátua” observa a realidade estática de um mundo decaído num desconcerto –uma ética (inumana) alicerçada numa arquitetura oblíqua Esse “Eu-Estátua” – meramente contemplativo, é um ser desprovido da força necessária,necessariamente morrente “de pasmo” A imobilidade gera um aglomerado de gente…

9º edição do Raias Poéticas | Online

Terei honra de moderar a mesa 2 da 9º edição do Raias Poéticas online: Dobra de pensamento: A LITERATURA ACONTECE EM RECOMEÇO ININTERRUPTO Tiago Alves Costa (poeta, ensaísta e tradutor, Corunha)José Emílio-Nelson (poeta ensaísta, Portugal)Carla Carbatti (poeta, ensaísta, Brasil)Victor Oliveira Mateus (poeta, ensaísta, Portugal)Jorge Velhote (poeta, fotógrafo, ensaísta, Portugal) Podem acompanhar através da mallarmargens revista de…

Sara F. Costa sobre “Žižek vai ao ginásio”

O livro de poesia do Tiago começa com aquela cena do Fight Club em que o Brad Pitt incendeia o apartamento do Edward Norton e eu diria que esse é um excelente começo. O medo de perder a “vida-dinheiro”, isto é “Tudo aquilo que juntara enquanto se movia”. Para o autor, o cogito de Descarte…

O poema apresentou-se a um concurso de poesia

O poema apresentou-se a um concurso de poesiae leu-se a ele mesmo diante dos júris. Os júris surpreendidos com o inefávelquiseram saber quem era o autor daquelas palavras– podiam vencer o concurso!Mas não havia autor, muito menos poetaera ele mesmo, o poema que se lia a si mesmo: livre          insurgente       …

Profissão: ouvinte*

  No futuro talvez exista uma nova profissão: ouvinte. Mediante pagamento, o ouvinte escutará um outro, atendendo ao que este diga. Recorreremos ao ouvinte porque, excepto ele, não haverá ninguém que nos escute, já que perdemos cada vez mais a nossa capacidade de escutar. É, sobretudo, a insistente focalização no ego, o que torna difícil…