Filipe Campos Melo sobre “Žižek vai ao Ginásio”

“Antes de me conhecerem, devem primeiro conhecer as minhas palavras” I. Da Arquitetura Oblíqua Uma “Pessoa-Estátua” observa a realidade estática de um mundo decaído num desconcerto –uma ética (inumana) alicerçada numa arquitetura oblíqua Esse “Eu-Estátua” – meramente contemplativo, é um ser desprovido da força necessária,necessariamente morrente “de pasmo” A imobilidade gera um aglomerado de gente…

KNK – Sobre o último livro de Luís Filipe Sarmento

Certas obras supõem para mim um salto mortal sem rede. Já vivi vários: Whitman, Herberto, Clarice. Neste sepulcro em que hoje nos movemos, poucos são aqueles capazes de nos assombrar no escuro da leitura e paredes meias atingir o belo. E todo o nosso transe é justamente a experiência da ruína desse muro e da…