KNK – Sobre o último livro de Luís Filipe Sarmento

Certas obras supõem para mim um salto mortal sem rede. Já vivi vários: Whitman, Herberto, Clarice. Neste sepulcro em que hoje nos movemos, poucos são aqueles capazes de nos assombrar no escuro da leitura e paredes meias atingir o belo. E todo o nosso transe é justamente a experiência da ruína desse muro e da abertura de uma paisagem. Luís Filipe Sarmento é mestre nesse desígnio. É capaz de nos juntar a todos na nossa dor, no nosso sonho, no nosso pessoalíssimo modo de encarnar a morte, e soprar-nos ao ouvido com a mesma faúlha, a mesma réstia de fogo. Os seus poemas erigem-se como um monumento que ilumina o silêncio. Será verdade que na morte haverá um alívio na música? No meu mundo de paralelismos imaginários vejo-o ao lado de Carlos Edmundo de Ory. Coisas do meu inconsciente. Mas é dessa inesgotável fonte onde o poeta exerce o seu transe, justamente sobre este fio de contrapesos, que ele consegue extrair o mais precioso metal: louco alquimista que lavra no verso a tensão dos nossos medos e dos nossos desejos mais secretos e profundos, imagens talhadas com a precisão de quem conhece o inferno humano e a divina perfeição da matéria e as integra perfeitamente na realidade, ou, na verdade, do poema. Este é um artefacto que está talhado para nos seduzir. É uma voragem, um zodíaco de feras. Um lugar que gesta, recebe e incarna o acontecimento. Porque fora do poema tudo o demais resulta desnecessário. KNK trata-se, pois, de um acto divino e diabólico: roubar a palavra a deus e retirar a razão ao diabo. Poucos o conseguem como o Luís. Jogar com os elementos mais genuínos, com as cores primárias e sobre o espaço da mais radical saudade: o mistério da vida. Conservar com isso todas as funções que foram encomendadas desde que o poema nasceu: música, conhecimento, jogo, catarse, comunicação, álgebra superior das metáforas, fingimento das coisas úteis e inúteis, o segredo.

Nunca se aprendeu uma verdadeira obra de arte senão expondo-a indubitavelmente como segredo” ( Walter Benjamin)

E nós pertencemos a este tecido, somos esse tecido cintilante. Sob esses vagalhões de estrelas com que, na ausência de Deus, respondemos ao nada e à dor. Quanto mais Deus nos vira as costas, mais o clarão se atiça lá atrás. Aqui: o poema. O olhar que descobre as relações ocultas que há entre as coisas, vincula e é fundador de duração. E perante todo este aparato verbal pensamos na nossa vida pequena a que facilmente sucumbimos com voluntarioso ímpeto dos méritos. Para quê este mundo infindável de tragédias, sobressaltos, honras, o sonho que alimentamos para que possamos tapar os ouvidos ao roer subterrâneo da vida real, a barbárie? Luís Filipe Sarmento não faz cedências paliativas. Sabe que esta viagem conduz-nos velozmente ao coração alucinado de um bosque onde dançamos felizes sobre a fome e sede. E por isso traça sobre nós uma senda própria tomando para si todos os elementos. Como sábio que é (basta ouvi-lo por uns momentos) vai beber de diferentes escolas e tradições e assim submeter-se a uma experiência que procura superar os próprios confins da linguagem, um pulso constante, uma tensão de opostos onde se fundem sobre o verso o corpo e espírito, a ciência e crença, filosofia e alucinação. E é assim que ele cria o mistério na matéria, tenciona os planetas no vazio, doma o azar, instaura um novo e provisório caos e reinventa um novo mundo. E hoje em dia são muito poucos aqueles capazes desta proeza.

KNK de Luís Filipe Sarmento (2019, Poética Edições)

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s