3 poemas na revista brasileira “Ruído Manifesto”

PALAVRA-POETA-DISTÚRBIO

O poeta avisou:

Antes de me conhecerem, devem primeiro conhecer as minhas palavras.

Então as palavras entraram na sala e o poeta ficou do lado de fora à espera.

No seu interior as palavras começaram a desconstruir o que havia à sua volta.

Aos saltos, sobre as mesas, gritando, despindo-se com esgares de loucura

executando jogos do empurra com os presentes.

Tiveram de chamar dois críticos especializados na área

que não conseguiram entender as palavras, nem debelar o problema?

Chamaram então a polícia.

Algemadas as palavras saíram da sala sobre o olhar cúmplice do poeta

que ali estava sentado na sua melancólica calma, proferindo:

se ainda desejarem, posso agora falar um pouquinho de mim

mais 2 poemas aqui: Ruído Manifesto

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s