O homem que apanhava flores

Um homem, enquanto apanhava flores, provocou uma grande guerra. Porém, enquanto os exércitos organizavam fileiras, o homem tentava explicar: eu só apanhava flores. Entretanto, chegou um prospector imobiliário e perguntou: quem andava a apanhar flores no meu terreno? E o homem, que apanhava flores, levantou o braço com a serenidade de uma criança. Acresce que um técnico da proteção civil surgiu três dias depois, já a guerra desmatara muito terreno florido, olhou o local com pormenor e avisou: está proibido por lei tocar na paisagem. E assim, a guerra continuou com as suas tensões, com as estratégias ofensivas e defensivas…O homem que apanhava flores ia de novo dizer algo, mas pensou para si mesmo: uma semente sabe esperar, a maioria das sementes esperam um ano antes de germinar; uma semente de uma flor, por exemplo, pode esperar até dez anos pelas condições mais favoráveis. Os jornais, todavia, já anunciavam: Culpado! O homem que apanhava flores. A Opinião Pública reiterava: Culpado! O homem que apanhava flores. Enquanto o homem ia insistindo ao seu jeito: eu só apanhava flores. Entretanto, um comentador de televisão explica em horário nobre as ardilosas intenções do homem que apanhava flores. Primeiro, vai querer distrair a vossa atenção. Depois, vai desmoralizar o vosso espírito. Logo, destabilizar a vossa confiança. E por fim, apanhar mais flores, por conseguinte, provocar mais guerras. Houve outro comentador que tentou refutar esta opinião, mas foi interrompido por trinta segundos de publicidade. Ao local da guerra chegara, entretanto, um juiz embargador com um grande molhe de papéis declarando que aquele terreno estava embargado e não era possível um homem estar ali a apanhar flores. E apresentou os papéis legais do terreno. A guerra parou por uns minutos, ouve alguém que aproveitou e saiu para ir comprar flores, anunciaram mais trinta segundos de publicidade, pensaram que talvez o homem que apanhava flores fosse mesmo inocente, no entanto, após um dos exércitos duvidar dos papéis do embargo, a guerra continuou. O homem, pensou repetir que só apanhava flores, mas preferiu dizer: sou pobre. O comentador de televisão afirmou: nunca se ganharam guerras com flores. O prospector imobiliário acrescentou: tenho ótimos terrenos para se fazerem novas guerras. A Opinião Pública insistiu: culpado! Subitamente, chegou o mau tempo e ambos exércitos tiveram de se juntar de baixo de um toldo; ali, olhando os rostos cansados dos seus adversários e sob a chuva forte que caia de forma melancólica, como se pressagiasse a derrota coletiva, decidiram que o melhor seria ir apanhar flores pelo mundo. Assim, a grande guerra sem que ninguém contara, acabou repentinamente. O homem pobre nunca mais voltou a apanhar flores. E outras guerras de menor interesse iniciaram-se na cabeça dos humanos.

Conto publicado originalmente na 22ª edição da revista em papel “Sem Equívocos”.

One Comment Add yours

  1. Julia Miguel diz:

    Caríssimo Tiago Alves Costa, mais uma excelente visão de um real! Obrigada Júlia Miguel

    Liked by 1 person

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s