A absoluta ignorância pelas coisas

Era uma manhã de segunda-feira. Ele estava sentado no seu quarto do acanhado terceiro direito partilhado por mais cinco pessoas, três delas eram uma família. Estava a olhar desde a janela e a pensar o murmúrio da avenida. Quantos mais haveriam como ele? No Centro de Emprego o seu estado de vida era claro: desempregado. E o senhorio, entretanto, já o avisara por mais que uma vez: pague o que deve. Acabara de enviar mais um currículo, dos muitos que havia enviado nos últimos meses, para trabalhos que podiam ser considerados de uma neo-escravatura. Tinha quarenta e oito anos, uma licenciatura com nota de final de mérito, dois mestrados, vinte anos de experiência, um rol infindável de cursos de formação e o silêncio. Levava vários meses sem uma resposta. Chegara uma vez por uma mensagem automática, mas só para o informar que valorizavam muito o capital humano e que após analisarem o seu currículo, concluíram, infelizmente, que não possuía as características necessárias para o posto em questão. Agradeciam, desde logo, o seu interesse e informavam que o seu perfil ficaria na base de dados da empresa para futuras ofertas. Quantos mais haveriam como ele? Desempregado

Olhou de novo a janela. E, num acto instintivo, vestiu-se a correr. Molhou uma bolacha no copo de leite frio, apanhou um comboio, logo o autocarro 14 para o terminal e o 12 para chegar ao centro da cidade. Dali, atravessou a pé, de uma ponta a outra, o centro da urbe, chegando por fim ao balcão da secretaria da sua antiga universidade. Estava agora diante da senhora responsável, era a mesma há vinte anos, olhou-a nos olhos e informou: quero deslicenciar-me. A senhora olhou-o muita alta no espanto: Quer o quê? E ele passou então a explicar: obviamente que iniciaria por onde acabou, o último ano, e faria todo o caminho inverso. Depois, insistia ele, ano após ano eliminaria cadeiras, professores, tutorias, estágios, propinas, exames, monografias, competição entre colegas, dores de corpo e cabeça, chegando assim, claro está, ao último degrau da deslicenciatura. Assim, quando chegasse ao final, insistia ele perante o olhar conspícuo da senhora, e respeitado a ordem oficial do curso, teria de passar um último exame cuja finalidade seria testar a ignorância pelas coisas. A absoluta ignorância pelas coisas. Evidentemente não faltariam pessoas altamente qualificadas para avaliar com precisão as suas capacidades. E, caso cumprisse com a exigência do curso, teria todo o gosto em ir à cerimónia de deslicenciados para, assim, receber o seu respetivo diploma. A senhora, após ouvi-lo com atenção, levantou o cenho com extrema delicadeza e retorquiu: E como vai, todavia, arranjar um emprego?


Conto publicado originalmente na 23ª edição da revista em papel “Sem Equívocos”.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s