Escrever o cansaço incansável: Žižek Vai ao Ginásio | por Carla Carbatti

Como escrever quando as palavras, o pensamento, o silêncio, as mãos estão cansadas? O que escrever com as palavras, o pensamento, o silêncio e as mãos cansadas? Cansaço, eis um conceito, ou melhor, um percepto (o pensar mediante percepções e sensações próprio das artes, segundo Deleuze e Guattari) incontornável para acompanhar ao Žižek Vai ao Ginásio de Tiago Alves…

Žižek Vai ao Ginásio – Edição no Brasil

“Žižek Vai ao Ginásio é um livro de poemas, e uma experiência, e também um maquinário. Percorrendo certa tradição do lirismo, mas valendo-se também do poema como matéria física, em que conta a sua disposição desenhada na página como possível chave de leitura, Tiago Alves Costa constrói uma obra que consegue se aproximar do nosso zeitgeist. Menção…

Apresentação de Žižek vai ao Ginásio no Instituto Camões de Vigo

Na próxima quinta-feira, dia 17 de setembro, às 19h30, terá lugar no Instituto Camões de Vigo a apresentação do meu último livro “ŽÍŽEK VAI AO GINÁSIO” . Estarei acompanhado pelo cineasta galego, Roi Fernandez, que produziu o filme-poema “Os Americanos” para esta obra.

Filipe Campos Melo sobre “Žižek vai ao Ginásio”

“Antes de me conhecerem, devem primeiro conhecer as minhas palavras” I. Da Arquitetura Oblíqua Uma “Pessoa-Estátua” observa a realidade estática de um mundo decaído num desconcerto –uma ética (inumana) alicerçada numa arquitetura oblíqua Esse “Eu-Estátua” – meramente contemplativo, é um ser desprovido da força necessária,necessariamente morrente “de pasmo” A imobilidade gera um aglomerado de gente…

Sara F. Costa sobre “Žižek vai ao ginásio”

O livro de poesia do Tiago começa com aquela cena do Fight Club em que o Brad Pitt incendeia o apartamento do Edward Norton e eu diria que esse é um excelente começo. O medo de perder a “vida-dinheiro”, isto é “Tudo aquilo que juntara enquanto se movia”. Para o autor, o cogito de Descarte…

Teresa Moure sobre Žižek vai ao ginásio

(…) Sento-me, irrequieta, a escrever o prólogo de Zizek Vai ao Ginásio. Tento abandonar-me ao imenso prazer de ler um poemário comovedor, estimulante, que, às vezes, até faz com que sorria. Contudo, o prólogo não nascerá dessa vontade de expressar o que me move quando escrevo. Foi solicitado pelo autor, meu amigo, que talvez queira…

Poema-leitura-diálogo sobre Žižek vai ao ginásio | Ramiro Torres

O poeta lança a luza sua língua incendiária,atravessa o sol hipnóticocom um poema nos lábiosenquanto a realidade levantao seu voo e arde nos olhos,como um animal anterioràs formas estourando entreas mãos fecundadas nestaestranha música fascinada:alça a voz a beleza desnudano ritmo puro das palavras,aves de um fervor paradisíaconascendo no nosso assombro. Ramiro Torresdezembro 2019