Um tempo sem idade

O que nos espera nos lugares? Um braço lá no alto sinalizando a altura do mundo. Um amigo que nos aguarda há pelo menos 1000 anos. Caminhar sob a superfície evitada das dúvidas e uma cartografia abrir-se sobre nós: Ti falame portugues. Nós que julgamos conhecer o mundo. Que julgávamos conhecer as nossas pernas. O…

Poema-leitura-diálogo sobre Žižek vai ao ginásio | Ramiro Torres

O poeta lança a luza sua língua incendiária,atravessa o sol hipnóticocom um poema nos lábiosenquanto a realidade levantao seu voo e arde nos olhos,como um animal anterioràs formas estourando entreas mãos fecundadas nestaestranha música fascinada:alça a voz a beleza desnudano ritmo puro das palavras,aves de um fervor paradisíaconascendo no nosso assombro. Ramiro Torresdezembro 2019

“ŽiŽek Vai ao Ginásio” | Novo livro de poesia

O meu mais recente livro de poesia já está disponível no site da editora. “ŽiŽek vai ao ginásio” tem um prefácio da romancista galega Teresa Moure e o texto da contra-capa do Gonçalo M. Tavares. Uma nota para a pintura da capa que foi gentilmente cedida pelo pintor Edu Albo. “A cabeça avança e a…

Sobre “Teoria das Ruínas”

“Não há poema sem acidente; sem ferida, não há poesia nem arte” Derrida A linguagem poética de Teoria das Ruínas, de Alfredo Ferreiro, lembra-me um rio: sempre a arrastar e a apagar tudo e, ao mesmo tempo, sempre pronta a receber todos os destroços, todos os reflexos humanos. Sempre pronta a despenhar-se no abismo e…

Festival Literário de Ovar

É já nesta quinta-feira, dia 12 de setembro, que arranca o Festival Literário de Ovar. A abertura oficial terá lugar pelas 21 horas, seguindo-se uma conversa com David Capelenguela (secretário-geral da União dos Escritores Angolanos) . Até domingo, 15 de setembro, o Jardim do Cáster serve de palco a quatro dias de promoção da leitura,…

3 poemas na revista brasileira “Ruído Manifesto”

PALAVRA-POETA-DISTÚRBIO O poeta avisou: Antes de me conhecerem, devem primeiro conhecer as minhas palavras. Então as palavras entraram na sala e o poeta ficou do lado de fora à espera. No seu interior as palavras começaram a desconstruir o que havia à sua volta. Aos saltos, sobre as mesas, gritando, despindo-se com esgares de loucura…

“Vida – Dinheiro” – Revista Cintilações

Não queria gastar muito dinheiro queria…. ficar quieto Parado com MEDO uma estátua uma pessoa-estátua PARADA Alguém o empurrou Sem querer Por querer (não havia certeza quanto a isso) E um profundo silêncio todas as suas poupanças perdidas Tudo aquilo que juntara enquanto se movia. toda a sua vida-dinheiro Começou a correr como se ainda…

KNK – Sobre o último livro de Luís Filipe Sarmento

Certas obras supõem para mim um salto mortal sem rede. Já vivi vários: Whitman, Herberto, Clarice. Neste sepulcro em que hoje nos movemos, poucos são aqueles capazes de nos assombrar no escuro da leitura e paredes meias atingir o belo. E todo o nosso transe é justamente a experiência da ruína desse muro e da…